Em Patos, Projeto Semiárido Solar Promove Seminário Sobre Aquecimento Global

O aquecimento global é um fenômeno climático em escala mundial, provocado pelo lançamento de gases causadores do efeito estufa na atmosfera. O reflexo desse fenômeno no semiárido foi tema do seminário ‘Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e Crise Hídricas: O Que Eu Tenho Haver Com Isso?’. O evento, que aconteceu na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) – Campus Patos, foi promovido no dia 27 de Março pelo Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social e pela Cáritas Brasileiras.

A programação começou ás 9h com a mesa redonda “O que as mudanças climáticas tem a ver com a disponibilidade de água no semiárido”, tendo como debatedores os professores Heitor Scalambrini (UFPE) e Carlos Lima(UFCG) e contando com mediação do coordenador geral do CERSA e membro da diretoria da Frente Por Uma Nova Política Energética, César Nóbrega.

“Você não pode discutir as mudanças climáticas, sem discutir o aquecimento global, sem discutir a crise hídrica, sem discutir as energias renováveis. São temáticas indissociáveis. Elas estão juntas e nos levam a refletir sobre a proposta de sociedade consumista que nós temos”, afirmou Scalambrini.

A programação da tarde abordou o tema ‘Como enfrentar as mudanças climáticas’, mediado pelo padre João Saturnino e com a participação do Assessor Político Pedagógico de Diaconia no território do Pajeú/PE, Adilson Viana, e do coordenador do Programa de Promoção e Ação Comunitária (PROPAC), Irenaldo Pereira de Araújo.

Na ocasião, Adilson Viana apresentou os trabalhos desenvolvidos pela Diaconia com os agricultores e agricultoras familiares do território do Pajéu e do oeste potiguar. As ações que envolvem também a construção de biodigestores e de cisternas, levaram a entidade a ganhar o prêmio ‘Melhores Práticas em Gestão Local’, promovido pela Caixa Econômica Federal. A partir da premiação foi possível desenvolver um projeto para construção de casas sustentáveis ancorada na acessibilidade das famílias.

“A tecnologia é sempre um meio de aproximação para tentar construir algo com as famílias. Mas, todas as tecnologias estão dentro de um processo metodológico de mobilização para a convivência com semiárido e para os cuidados com o meio ambiente,” disse.

O seminário contou com a participação de estudantes, ambientalistas e demais interessados nas variações climáticas que vem afetando o planeta.

“Esse seminário tem muito a agregar tanto para mim quanto para os outros discentes, do ponto de vista que a gente conhece sobre o que está acontecendo no mundo e a aplicação que a gente tem na nossa realidade,” avaliou Pedro Jorge, mestrando em Ciências Sociais pela UFCG.

Estiveram presentes no evento, o secretário de agricultura do município de Patos, João Paulo Lacerda, o membro da coordenação executiva da Articulação do Semiárido (ASA-Paraíba), José Anchieta, e a professora da UFCG – Campus Pombal, Ricélia Marinho.

O seminário  ‘Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e Crise Hídricas: O Que Eu Tenho Haver Com Isso?’ faz parte do Projeto “Fortalecimento de alternativas em áreas vulneráveis aos efeitos negativos das mudanças climáticas no semiárido paraibano”, cujo nome fantasia é Semiárido Solar e conta com o apoio do CERSA, da Ação Social Diocesana de Patos, da Universidade Federal de Campina Grande e da Misereor.

Texto: Enio Marx – Assessor de Comunicação do CERSA

Vídeo: TV Sol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *