CERSA Incide Politicamente Para Criação Do Instituto De Pesquisa E Estudo Vale Dos Dinossauros

Começa a se estruturar no município de Sousa, no Sertão da Paraíba, a criação de um polo de tecnologia e inovação. Representantes do Governo do Estado e do Município, de instituições acadêmicas de ciência e tecnologia, da classe política, da sociedade civil organizada e do setor produtivo se reuniram no dia 17 de junho no auditório do Instituto Federal da Paraíba em Sousa para articulação de um polo voltado para inovação e desenvolvimento sustentável. O projeto é fruto de uma articulação do CERSA que aglutinou vários pesquisadores, ativistas sociais, agentes políticos e demais membros da sociedade civil em torno da defesa do Vale dos Dinossauros. O impulso para a implantação deste centro de pesquisa é a recente descoberta de fósseis na região que reforça a necessidade de preservação de um dos sítios  paleontológicos mais relevantes cientificamente, abrangendo discussões que envolvem outros aspectos do semiárido paraibano.

Sentados lado a lado, o secretário-executivo de Estado da Ciência e Tecnologia da Paraíba, Claudio Furtado; Deputado Estadual Buba Germano, presidente da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia e Inovação; o prefeito de Sousa, Fábio Tairone; o vice-prefeito de Sousa, Zenildo Oliveira, também representando o deputado estadual Lindolfo Pires; o gerente do Sebrae em Sousa, Antônio Felinto; o diretor do IFPB – campus Sousa, Francisco Cicupira; e representando a sociedade civil organizada, César Nóbrega. Conforme o secretário-executivo de Estado da Ciência e Tecnologia da Paraíba, Cláudio Furtado, a característica do polo centralizado em Sousa é unir as diversas áreas para construir o polo: “Em Sousa, temos a vertente do turismo direcionado à paleontologia já ditada pelo Monumento Natural Vale dos Dinossauros, mas temos outras vertentes que devem ser exploradas como a indústria agroalimentícia, da produção agropecuária; em especial, nas cidades circunvizinhas, de forma a incluí-las como um arranjo produtivo local nesse polo de inovação”, explicou Furtado.

 

Integração no projeto

 

O prefeito de Sousa, Fábio Tyrone, reafirmou a integração de Sousa nesse projeto: “Sousa se filia com relevância a essa causa; temos muitas vertentes a serem exploradas, todas necessitam de ciência e tecnologia e eu estou muito feliz com essa discussão durante todo o dia”.

A iniciativa é uma conquista imensurável na visão do advogado sousense César Nóbrega, coordenador geral do CERSA: “Estamos recuperando o que perdemos há muito tempo. Sousa foi o primeiro centro de pesquisa da área seca do mundo, criado em 1934, por José Augusto Trindade. No decorrer dos anos, perdemos esse instituto, mas depois foi recuperado e ganhou o nome de seu fundador. Cláudio Furtado teve a sensibilidade em ouvir o Comitê de Energia Renovável do Semiárido para criarmos aqui um instituto de pesquisa do Vale dos Dinossauros, cuja ideia está no bojo do polo de inovação tecnológica. Não se caminha para uma política de desenvolvimento sem a ciência. E essa região é riquíssima, um laboratório a céu aberto. E somos nós que temos que manter vivo o bioma caatinga”.

Buba apresentou o projeto de sustentabilidade da Frente Parlamentar de Ciência e Tecnologia e demonstrou a importância de aliar a inovação à atividade produtiva: “Nós já nos posicionamos contra os cortes orçamentários às universidades e temos que interiorizar a discussão porque não podemos permitir que os campi do interior sejam prejudicados”. Mais adiante, Buba afirmou: “Não podemos falar de sustentabilidade sem estarmos focados nas universidades e nas escolas públicas com esse tema. (…) Chegar ao interior e territorializar essa discussão, apresentando a dinâmica para toda a região”.

O tema da economia criativa foi trazido ao debate por Antônio Felinto, gerente do Sebrae em Sousa: “É uma grande oportunidade para toda a região do Vale de trabalhar para consolidar o desenvolvimento; não só em termos do que vai aglutinar, instituições de Ciência e Tecnologia, instituições do setor privado e as três instâncias de governo. Isso propicia um ambiente instigante que abre espaço para a investigação científica e também para ações que vão fortalecer o que o Vale tem de melhor”.

Francisco Cicupira, diretor do IFPB – Campus Sousa, parabenizou a mobilização de todos os palestrantes que trouxeram temas positivos dentro de suas áreas sobre o tema. “Estamos vivendo um ‘insight’ nesse momento, com as instituições públicas, as instituições responsáveis que fomentam essa economia criativa apoiada pelo Sebrae, juntas, em um processo de cooperação

 

Fonte: JORNAL A UNIÃO

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *