1ª COOPERATIVA DE ENERGIA SOLAR DESCENTRALIZADAS É FUNDADA NO SERTÃO PARAIBANO

A ação beneficiará famílias agricultoras do Semiárido, fortalecendo projetos que incentivam a preservação do Meio Ambiente.

O Comitê de Energia Renovável do Semiárido (CERSA) está criando a primeira cooperativa de energia solar distribuída, no Médio Sertão da Paraíba e terá como nome “Cooperativa Bem Viver” . A ação faz parte de uma das metas do Projeto “Cuidando da Nossa Casa Comum”, com apoio da MISEREOR, Organização da Igreja Católica com sede na Alemanha. Essa iniciativa tem o objetivo de gerar economia para as famílias e comunidades que serão beneficiadas, além de outros benefícios ambientais e sociais.

As placas fotovoltaicas serão instaladas na área experimental do Centro de Educação Popular e Formação Social (CEPFS), instituição parceira do Comitê e tem a pretensão de trazer aos agricultores associados, uma significativa redução das contas de energia.

ASSOCIADOS SOLIDÁRIOS

De acordo com a instituição, o projeto pode ser replicado em outras regiões da Paraíba. A Cooperativa será constituída inicialmente por um total de 24 Sócios(as) Fundadores(as), estabelecido durante a Assembléia de Fundação do projeto. Cada Sócio (a) assumiu o compromisso de contrbuir também, de forma solidária, para que alguns agricultores e agricultoras da região possam ser beneficiados com placas fotovoltaicas e possam assim integrar também essa nova organização.

Em assembleia realizada na última sexta-feira, 22, para o acordo da constituição foi definida a mesa diretora da cooperativa tendo como presidente o professor, Romero Antônio de Moura Leite, a

Diretora Administrativa, Aldineide Alves de Oliveira e o

Diretor Financeiro, Ayres Umberto Vieira.

Como suplentes foram eleitos, José Dias Campos e Deuziene Heleno da Silva Araújo.

Foram eleitos para o Conselho Fiscal, os titulares: Raimunda Cleide Fontes, Paulo Adissi e Cornélio Rinaldo Ferreira. Como Suplentes: Maria Joseny de L. Medeiros Assis, Gutemberg Martins dos Santos e Marcelo Fabrízio de Oliveira Cavalcante

ORGANIZAÇÕES PARCEIRAS

Além da MISEREOR e do CEPFS o CERSA também conta com a parceria de algumas instituições como: O Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Socioambiental, a Frente por uma Nova Política Energética para o Brasil, a Cáritas Brasileira a MISEROR, a Ação Social Diocesana de Patos (ASDP), a Rede Sementes Florestais Caatinga Viva e diversas Organizações Comunitarias.

Para o presidente eleito da cooperativa, Romero Antônio de Moura Leite, o projeto será de extrema importância para todos os povos.

“Não é pretencioso dizer que é importante para os povos do semiárido como também para os demais. Primeiro porque cuidamos de produzir energias renováveis, no caso, a solar. Reconhecidamente menos danosa à natureza, aos seres vivos, incluídos os humanos. Isto nos permite descortinar o início de um futuro em que nos reconheçamos nos outros. Segundo, uma cooperativa foi a forma escolhida por exigir ação coletiva de todos com base em suas possibilidades e de acordo com as suas necessidades”, relatou.

Sobre os desafios da cooperativa, a riqueza natural abundante na região e os desafios, o presidente ressaltou:

“Por fim, por ser uma primeira experiência com tais características no nosso semiárido, reveste-se de significado ainda mais desafiador, mesmo levando em conta a riqueza do sol abundante. É preciso que nossa Cooperativa dê certo, a fim de contagiar outras experiências semelhantes e possa chegar a todos os necessitados, principalmente. E assim será.

Na Bem Viver alguns agricultores familiares estarão participando.

As expectativas não poderiam ser melhores, em razão também do grupo fundador que respira a iniciativa”, concluiu.

Carmélio Reynaldo, jornalista e professor aposentado, disse que o projeto irá aperfeiçoar e difundir ações em prol da natureza e da sociedade.

“Muito contentamento por estar participando desse projeto pioneiro que, sob vários aspectos, impacta positivamente na natureza e na sociedade, já que vamos implantar não só um sistema de geração de energia, mas também desenvolver ações para difundi-lo e aperfeiçoá-lo”, disse.

CONSTITUINTE

A nova Cooperativa terá vigência legal a partir da constituição do seu CNPJ e outras medidas legais necessárias. Será sediada no munícipio de Maturéia e território de atuação será o Estado da Paraíba e prazo ilimitado de atuação. Simultaneamente a sua constituição legal, o que já está sendo providenciada, a diretoria da Cooperativa já promove reuniões de planejamento das suas atividades e definição das funções da diretoria. Entre as atividades iniciais previstas estão cursos e momentos de formação para os cooperados e diretoria.

ENERGIA DESCENTRALIZADA

A cooperativa de energia renovável segue o modelo de geração descentralizada a partir de uma miniusina sem causar grandes impactos ambientais.

Para não gerar concentração de cada cooperado que levará em conta ainda o consumo de cada um.

DESAFIOS

“Os desafios serão muitos”, disse José de Anchieta, engenheiro florestal, sócio co-fundador e membro do Comitê de Energia Renovável (CERSA). Além do aprendizado inicial, segundo Anchieta, o projeto se preocupa com a possibilidade do Governo Federal mudar as regras do uso da energia descentralizada, caso venha cobrar taxas do excedente.

SEMIÁRIDO

A região é privilegiada. O sertão da Paraíba possui uma grande riqueza natural oriunda do sol, grande fonte de energia, sendo assim, o projeto acredita que, por meio dessa iniciativa, seja possível tornar o meio ambiente menos impactado e o uso de seus recursos naturais sejam utilizados de maneira responsável.

Palloma Pires – Jornalista e Comunicadora Popular

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.